sábado, 6 de agosto de 2016

Imprensa internacional destaca cerimônia de abertura da Olimpíada - International press highlights Olympics opening ceremony

'Washington Post' fez elogios e disse que brasileiros se prepararam por anos para a cerimônia de abertura da Olimpíada do Rio

O “Washington Post” diz em sua chamada que o “Rio traz seu estilo sambista à cerimônia de abertura da Olimpíada de Verão”. O jornal lembra das dificuldades e más notícias nas preparações para os Jogos, mas conclui que “por uma noite, ao menos, o Rio de Janeiro expôs o que faz de melhor. Este é um país especialista em folia, que todos os anos enche suas ruas com uma alegria inebriada, dançarina de quem beija estranhos no Carnaval. A batida do samba, as plumas e lantejoulas, as modelos e atletas: os brasileiros se prepararam para a cerimônia de abertura durante anos”. 

'The New York Times' teve tempo real e espaço para comentários de leitores 

 O “New York Times” narrou a cerimônia de abertura em tempo real, através de seus enviados especiais ao Rio e espaço para comentários, inclusive com alguns brasileiros explicando a leitores de outros países o contexto de alguns trechos e homenagens.

O texto do jornal sobre a cerimônia, assinado por Simon Romero, afirma que "a cerimônia de abertura dos Jogos disfarçou feridas brasileiras por algumas horas e deixou o país celebrar sua história". Escreve também que "se há uma nação que precisa de um espetáculo inspirador neste momento, mesmo em forma de um exercício de relações públicas, é o Brasil".

Romero cita que o Brasil é o primeiro país sul-americano a receber a Olimpíada, em uma supreendente combinação de turbulência política e instabilidade econômica - sem se esquecer de citar a epidemia do vírus da zika, das águas poluídas e dos cortes no orçamento "tão profundos que as operações básicas tornaram-se tensas".

O correspondente do "New York Times" citou Alberto Santos Dumont como "o aristocrata bon vivant que brasileiros creditam ter inventado o avião" e elogiou o "orçamento-consciente" da cerimônia - que mesmo assim foi de "bom gosto" e "deslumbrante". Ele fez um contraponto com as cerimônias dos Jogos de Verão de Perquim (2008) e de Inverno de Sochi (2014), que China e Rússia usaram como uma "demonstração de força".


nyt, new york times, cerimonia abertura, guardian 


O argentino 'Clarín' elogiou a cerimônia de abertura da Olimpíada do Rio e a cidade anfitriã 


O argentino “Clarín” anuncia em sua manchete que o “Rio vibra com uma festa repleta de música, cores e esporte” e elogia a cerimônia e a cidade “por suas cores, por seus fogos de artifício, por sua música, por sua gente, pelo Cristo Redentor, aliás ao fundo como perfeito protetor, ícone universal de uma cidade na qual cabem vários mundos”. 

'The Guardian' teve tempo real sobre a cerimônia de abertura da Olimpíada do Rio 


 
O britânico “The Guardian” também optou por uma cobertura em tempo real, e fez uma brincadeira mencionando um dos integrantes do grupo One Direction ao anunciar a entrada da delegação da Grã-Bretanha, “liderada por Andy Murray, o maior britânico vivo (aceite essa, Harry Styles)”.

Em suas considerações finais, o "Guardian" afirmou que a cerimônia da Rio 2016 foi "um interessante contraste com as últimas duas cerimônias de abertura". "O tema de Pequim 2008 foi a China é grande, o de Londres 2012 foi a Grã-Bretanha FOI grande. O tema de hoje? É melhor nós começarmos a fazer algo sobre o mei-ambiente ou nós talvez não tenhamos muitas Olimpíadas para celebrar no futuro".

O jornal citou a imagem do Cristo Redentor com o Maracanã ao fundo e os fogos de artifício iluminando-o: "Que visão". E elogia a "bela escultura giratória" que fica atrás da pira olímpica.

cerimonia, abertura, guardian 


 


O 'El País' destacou a presença da delegação espanhola na cerimônia de abertura da Olimpíada do Rio 



O espanhol “El País” deu destaque em sua manchete para o desfile da delegação de seu país, encabeçada pelo tenista Rafael Nadal, e manteve um link em tempo real com comentários sobre a festa. O jornal publicou ainda uma galeria com fotos da cerimônia, sob o título “As imagens de uma festa em que o Brasil celebra sua diversidade”.

O jornal publicou uma análise afirmando que a cerimônia foi "um êxito para o Brasil", que "deixou de lado as diversas crises que vive o país". Apesar de toda a tensão, "durante mais de três horas, o Brasil se deu um respiro". "A crise política e a recessão econômica ficaram de fora no Maracanã", afirma a análise. "Houve orgulho, muito orgulho de ter feito, por parte de um país que tem tido poucos motivos para isso nos últimos meses".

O texto cita diversas homenagens da cerimônia, como as feitas a Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Athos Bulcão e "o titã da arquitetura" Oscar Niemeyer. "O Brasil demonstrou que tem motivos para o orgulho pátrio".
 
'Le Figaro'  teve tempo real sobre cerimônia de abertura da Olimpíada do Rio 
 
 
Já o “Le Figaro” destaca a presença de seus correspondentes na Olimpíada e, em seu tempo real, diz que hoje o Maracanã é “o centro do mundo”, afirmando que todos os olhares se voltam para o estádio, que está protegido por um esquema impressionante.
The "Washington Post" says in his call that the "Rio brings his samba style to the opening ceremony of the Summer Olympics." The newspaper recalls the difficulties and bad news in the preparations for the Games, but concludes that "for one night, at least, the Rio de Janeiro has exposed what does best. This is a specialist country revelry that every year fills its streets with a giddy joy, dancer who kisses strangers in Carnival. The beat of samba, feathers and sequins, the models and athletes: Brazilians prepared for the years during the opening ceremony. "

The "New York Times" chronicled the opening ceremony in real time through their special envoys to Rio and space for comments, including some Brazilian explaining to readers from other countries the context of some sections and tributes.

The newspaper text of the ceremony, signed by Simon Romero, states that "the opening ceremony of disguised Brazilian wounds games for a few hours and left the country celebrate their history." He also writes that "if there is a nation that needs an inspiring spectacle this time, even in the form of a public relations exercise, it is Brazil."


Romero mentions that Brazil is the first South American country to host the Olympics in a surprising combination of political turmoil and economic instability - not forgetting to mention the epidemic virus zika, polluted waters and budget cuts "as deep that basic operations became strained. "

The correspondent of "New York Times" quoted Alberto Santos Dumont as "bon aristocrat vivant that Brazilian credited to have invented the airplane" and praised the "budget-conscious" of the ceremony - which even then was "good taste" and "stunning" . He made a counterpoint to the ceremonies of Perquim Summer Games (2008) and Sochi Winter (2014), which China and Russia used as a "show of force".

Argentinian "Clarín" announced in its headline that the "Rio buzzes with a party filled with music, color and sport" and praises the ceremony and the City "for its colors, for its fireworks, for his music, for his people by Christ the Redeemer, by the way to the bottom as perfect protection, universal icon of a city in which many worlds fit. "

The British "The Guardian" also opted for a real-time coverage, and made a joke mentioning one of the members of the Direction One group announcing the delegation of the entry of Britain, "led by Andy Murray, the British live longer (accepted this, Harry Styles) ".

In his closing remarks, the "Guardian" said the Rio 2016 ceremony was "an interesting contrast to the last two opening ceremonies." "The Beijing 2008 theme was China is great, the London 2012 was Britain WAS great. Today's topic? We better start doing something about mei environment or we may not have many Olympics to celebrate in the future".

The newspaper quoted the image of Christ the Redeemer with the Maracanã in the background and fireworks illuminating it: "What a sight." And praises the "beautiful revolving sculpture" which is behind the Olympic cauldron.

The Spanish "El Pais" has highlighted in its headline for the parade of the delegation of his country, led by tennis player Rafael Nadal, and maintained a real-time link with comments on the party. The newspaper also published a gallery with photos of the ceremony, under the title "Images of a party in which Brazil celebrates its diversity."

The newspaper published an analysis saying that the ceremony was "a success for Brazil," that "put aside the various crises facing the country." Despite all the tension, "for more than three hours, Brazil took a breather." "The political crisis and the economic recession left out at Maracana," says the analysis. "There was proud, very proud to have done by a country that has had a few reasons for this in recent months."

The text cites several honors ceremony, such as those made to Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Athos and "Titan architecture" Oscar Niemeyer. "Brazil has demonstrated that it has reasons for paternal pride."

But the "Le Figaro" highlights the presence of their counterparts in the Olympics, and its real-time, says today Maracanã is the "center of the world", saying that all eyes turn to the stadium, which is protected by a impressive scheme.

Google Tradutor para empresas:Google Toolkit de tradução para appsTradutor de sitesGlobal Market Fi
Postar um comentário