terça-feira, 26 de julho de 2016

"Nossa arena foi entregue cheia de lixo", diz chefe da vela do Brasil - "Our arena was delivered full of garbage," says head of candle Brazil

 Sergio Moraes/Reuters



Our arena was delivered full of garbage," says head of candle Brazil

There is no other sport in which they talk so little sport. Ten days before the start of the Rio-2016, the main subject in the candle is not the preparation of the athletes, the level of rivals or a chance to medal. In the Brazilian team, the theme that dominates questions and answers in all contacts between athletes and journalists is still pollution in Guanabara Bay, where the competitions will be held in the Olympic Games this year. The remediation of at least 80% of the spot promise of Brazil when he applied to receive the mega sports event, but did not come close to being reached.

"Our arena was delivered full of garbage," lamented Torben Grael, 56, owner of five Olympic medals and current technical coordinator of the Brazilian sailing. "You have to try to avoid, but it is not always possible. It has garbage that is halfway up in the water and you do not see right. Sometimes there's something in the tide of currency and it is difficult to pass without taking anything. It is expected that everything goes right, as if by chance happened in the last two test events, "he added.

However, Torben avoided as it could Dirt Guanabara Bay: "I will not go in the trash theme. Please. I will talk about the team, and if there is another matter I will not talk more. We talked about garbage since Rio was chosen to host the Games and even before. We spoke ostensibly when it was still possible to do something. Now it is useless to talk trash. "

The theme also generated some discomfort among themselves Brazilian athletes. "A little. Indeed, it is such a beautiful sport, with strategy, tactics, equipment, on-board communication and a series of interesting variables. People could learn more and ask more about the sport and less on the Bay, which is an important point that must be cared for, "mused Isabel Swan, 32, the Nacra 17 class.

"It's dirt? Yes a lot. We are far from ideal. But I think it is far less than you talk. The dirt is very much in other parts of the Bay, not in competition rays. The chaos has passed, that scare. All are already training here for some time and have become accustomed. Today, the main concern is rain and wind. That's what we're focused. I've been sailing in Europe and had to keep drawing alga boat. Of course, the pollution is worse, but we'll find a way, "added Ricardo Winicki, 36, known as Bimba, who dispute the RS: X class.

Among the Brazilian athletes who will compete in sailing competitions in Rio 2016, the most forceful when talking about the subject Guanabara Bay was Martine Grael, 25, the 49er FX class. "It's shameful. We have a little ashamed, and deal with it is complicated. We went out to sail the best streaks in the world and we have to see this dirt here, "he pondered.

her partner A, Kahena Kunze, 25, chose to use the Bay as an example of the opportunities that Brazil lost beyond the Olympic Games: "They gave a lot and a lot of structure for the Games, but I'm asking, and for the country? What has improved in health, education? What is the true legacy of that? Me great concern the post-Games. We should also think about it anymore. "

Sergio Moraes/Reuters



Não há outra modalidade em que se fale tão pouco de esporte. A dez dias do início da Rio-2016, o assunto principal na vela ainda não é a preparação dos atletas, o nível dos rivais ou a chance de medalhas. Na equipe brasileira, o tema que domina perguntas e respostas em todas os contatos entre atletas e jornalistas ainda é a poluição na Baía de Guanabara, onde as competições serão realizadas nos Jogos Olímpicos deste ano. A despoluição de pelo menos 80% do local era promessa do Brasil quando se candidatou a receber o megaevento esportivo, mas não chegou nem perto de ser atingida.

“Nossa arena foi entregue cheia de lixo”, lamentou Torben Grael, 56, dono de cinco medalhas olímpicas e atual coordenador-técnico da vela brasileira. “Você tem de tentar evitar, mas nem sempre é possível. Tem lixo que fica à meia altura na água e que você não vê direito. Às vezes tem algo na divisa de maré e é difícil passar sem pegar alguma coisa. É esperar que dê tudo certo, como por acaso aconteceu nos dois últimos eventos-teste”, completou.

No entanto, Torben evitou o quanto pôde o assunto sujeira da Baía de Guanabara: “Eu não vou entrar no tema do lixo. Por favor. Vou falar sobre a equipe, e se não houver outro assunto eu não vou falar mais. A gente falou sobre lixo desde que o Rio foi escolhido como sede dos Jogos e até antes. A gente falou ostensivamente quando ainda era possível fazer alguma coisa. Agora é inútil falar de lixo”.

O tema também gerou algum incômodo entre os próprios atletas brasileiros. “Um pouco. De fato, é um esporte tão bonito, com estratégia, tática, equipamento, comunicação a bordo e uma série de variáveis muito interessantes. As pessoas poderiam conhecer mais e perguntar mais sobre o esporte e menos sobre a Baía, que é um ponto importante, que deve ser cuidada”, ponderou Isabel Swan, 32, da classe Nacra 17.

“Tem sujeira? Sim, muita. Estamos longe do ideal. Mas creio que seja bem menos do que se fala. A sujeira está muito em outras regiões da Baía, não nas raias de competições. O caos já passou, aquele susto. Todos já estão treinando aqui há algum tempo e se acostumaram. Hoje, a preocupação maior é com chuva e vento. É nisso que estamos focados. Já fui velejar na Europa e tinha que ficar tirando alga do barco. Claro que a poluição é pior, mas daremos um jeito”, adicionou Ricardo Winicki, 36, conhecido como Bimba, que disputa a classe RS:X.

Entre os atletas brasileiros que vão disputar competições de vela na Rio-2016, a mais contundente ao falar do tema Baía de Guanabara foi Martine Grael, 25, da classe 49er FX. “É vergonhoso. Temos um pouco de vergonha, e lidar com isso é complicado. Saímos para velejar nas melhores raias do mundo e temos que ver essa sujeira aqui”, ponderou.

A parceira dela, Kahena Kunze, 25, preferiu usar a Baía como exemplo das oportunidades que o Brasil perdeu para além dos Jogos Olímpicos: “Entregaram muita coisa e muita estrutura para os Jogos, mas eu fico perguntando: e para o país? O que melhorou em saúde, educação? Qual o verdadeiro legado disso? Me preocupa muito o pós-Jogos. Deveríamos pensar mais nisso também”.

Postar um comentário